PT EN

 

 

TESOUROS DA PRATARIA EM PORTUGAL: Entre a evolução histórica e questões de peritagem 
CURSO LIVRE ONLINE
POR PROF. DOUTOR GONÇALO DE VASCONCELOS E SOUSA [MEMBRO PIN HONORÁRIO]*

 

 

transferir

  

RESUMO

Da Idade Média ao Século XXI, a Prataria constituiu uma das mais importantes Artes Decorativas em Portugal. Ourives e lavrantes da prata corporizaram uma actividade comercial e artística de tal forma importante que chegou, em alguns casos, a atingir um altíssimo valor de investimento.

As instituições religiosas competiam no louvor ao Divino através dos seus acervos de ourivesaria, e as elites civis engrandeciam os seus espólios com magníficas peças de aparato, nomeadamente as de uso de mesa.

Nomes como Gil Vicente e João Coelho de S. Paio, António Firmo da Costa e Luís António da Silva Mendonça, ou, nos séculos XIX e XX, a casa Leitão & Irmão e Luiz Ferreira, representam a excelência na prataria em Portugal, aliando a qualidade de execução ao brilhantismo da inovação.

Permitirá analisar, na última sessão, questões que se levantam na peritagem da prataria portuguesa, através da análise pormenorizada de algumas peças e dos problemas de classificação que muitas delas levantam, designadamente quanto a datações, marcas, técnicas utilizadas e identificação de proprietários.

É o conhecimento de tamanha diversidade de trabalhos que este curso se propõe abordar, numa viagem repleta de curiosidades e de novidades até hoje nunca divulgadas em obras publicadas sobre prataria portuguesa, resultantes da investigação permanente que o docente realiza em arquivos e acervos argênteos portugueses.

 

PROGRAMA

QUESTÕES INTRODUTÓRIAS

1 –  Ourivesaria e Prataria

2 – A Prataria Civil e as suas tipologias

3 – A Prataria Religiosa e as suas tipologias

4 – Ourives e lavrante da prata; comerciante de ourivesaria

5 –Ensaiador e contraste da Prata

6 –  Marca de ensaiador municipal, da Contrastaria, da casa de ourivesaria e do ourives fabricante

7 – Principais centros produtores de Prataria em Portugal

 

PARTE I

EVOLUÇÃO DA PRATARIA EM PORTUGAL

1 – Prataria sacra medieval românica

      1.1. – Características gerais

      1.2. – Os cálices de Alcobaça

      1.3. – Cruzes processionais

      1.4. –Outras peças de relevo

2 – Prataria sacra medieval gótica

      2.1. – Características gerais

      2.2. – Cruzes processionais

      2.3. – Cálices

      2.4. – Cofres

      2.5. – Custódias

      2.6. – Outras tipologias de relevo

3 – Prataria sacra quinhentista: do Gótico ao Maneirismo

      3.1. – Formas e motivos decorativos

      3.2. – Cálices

      3.3. – Custódias

      3.5. – Outras tipologias

4 – A emergência da prataria civil

      4.1. – Diversas tipologias de salvas

               4.1.1. – Elementos decorativos

      4.2. – Outras tipologias de peças

5 – Relações artísticas com o Oriente (sécs. XVI a XIX)

      5.1. – O Tesouro do Convento do Carmo, na Vidigueira: a doação do

                Pe. André Coutinho (1597)

      5.2. – Prataria indo-portuguesa

6 – A produção da prataria portuguesa do séc. XVII

      6.1. – Formas e decorações: o Maneirismo e o Barroco

      6.2. – Tipologias de peças de prataria sacra

      6.3. – Tipologias de peças de prataria profana

7 – Caracterização da prataria portuguesa do séc. XVIII

      7.1. – Gramática decorativa da prataria setecentista

               7.1.1. – Decoração barroca e a convivência com o estilo chão

               7.1.2. – Decoração rococó

               7.1.3. – Decoração neoclássica

      7.2. – Tipologias de peças de prataria sacra

                 7.2.1. – As custódias-jóia

      7.3. – Tipologias de peças de prataria profana

                 7.3.1. – Peças de aparato

                 7.3.2. – Peças de uso da mesa

                 7.3.3. – Peças do serviço de bebidas

                 7.3.4. – Peças de escrita

                 7.3.5. – Peças de iluminação

                 7.3.6 – Peças de uso de viagem

     7.4. – Ourives da prata de Lisboa e ourives da prata do Porto

8 – O Romantismo na prataria oitocentista portuguesa

        8.1 – Consequências da produção industrial

        8.2. – A decoração fito e zoomórfica

        8.3 – O guilhochado

9 – Revivalismos e eclectismos da prataria dos sécs. XIX e XX

       9.1. – O neogótico

       9.2. – O neobarroco

       9.3. – O neorenasceça

       9.4. – O neoneoclássico

       9.5. – O neoárabe

10 – As grandes casas de ourivesaria portuguesas

        10.1. – A casa Leitão & Irmão

        10.2. – A casa Reis & Filhos

        10.3. – A casa de José Rosas

11 – Arte Nova e Art Déco em Portugal

12 – Luiz Ferreira: o decorativo versus o utilitário

13 – Design contemporâneo na prataria

        13.1. – Manuel Alcino e a renovação na moderna prataria portuguesa

        13.2. – Outros criadores actuais

 

PARTE II

ALGUMAS QUESTÕES DE PERITAGEM NA PRATARIA EM PORTUGAL

  1. DISTINÇÕES ESTILÍSTICAS E TIPOLÓGICAS
  2. APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS
  3. MARCAS DE ENSAIADOR E DE OURIVES
  4. APRECIAÇÃO CONSTRUTIVA TIPOLÓGICA (ESTUDOS DE CASO)
  5. DATAÇÃO AQUANDO DA EXISTÊNCIA DE MARCAS
  6. HERÁLDICA, SIMBOLOGIA, MONOGRAMAS
  7. ENTRE A PEÇA E A BIBLIOGRAFIA CIENTÍFICA

 

BIBLIOGRAFIA

ALMEIDA, Fernando Moitinho de; CARLOS, Rita – Inventário de marcas de pratas portuguesas e brasileiras: século XV a 1887. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 2018.

COUTO, João; GONÇALVES, António M. – A ourivesaria em Portugal. [S. l.]: Livros Horizonte, cop. 1960.

GODINHO, Isabel da Silveira, dir. – Tesouros Reais. Lisboa: Secretaria de Estado da Cultura; Instituto Português do Património Cultural; Palácio Nacional da Ajuda, 1991.

GONÇALVES, António Nogueira – Estudos de Ourivesaria. Porto: Paisagem Editora, 1984.

LEITE, Maria Fernanda Passos – Ourivesaria. In Artes Decorativas Portuguesas: No Museu Nacional de Arte Antiga Séculos XV-XVIII. Lisboa: Secretaria de Estado da Cultura; Museu Nacional de Arte Antiga, 1979, pp. 177-208.

OREY, Leonor d’ – Ourivesaria. Lisboa: Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva, 1998.

OREY, Leonor d’, coord. – António Firmo da Costa: Um ourives de Lisboa através da sua obra. [S. l.]: Instituto Português de Museus, cop. 2000.

SANTOS, Manuela de Alcântara – Mestres ourives de Guimarães. Porto: IMC; Museu de Alberto Sampaio; Campo das Letras, 2007.

SANTOS, Manuela de Alcântara – Ourives de Guimarães: ao serviço de Deus e dos homens. Guimarães: Museu Alberto Sampaio, 2009.

SILVA, Nuno Vassallo e – As custódias-jóias de Setecentos. Oceanos. Lisboa: Comissão Nacional para a Comemoração dos Descobrimentos Portugueses. 43 (Jul.-Set. 2000), pp. 78-92.

SILVA, Nuno Vassallo e – Ourivesaria portuguesa de aparato: séculos XV e XVI. Lisboa: Scribe, 2012.

SOUSA, Ana Cristina – Metamorfoses do ouro e da prata: a ourivesaria tradicional no Noroeste de Portugal. Porto: Centro Regional de Artes Tradicionais, 2000.

SOUSA, Gonçalo de Vasconcelos e – Pratas portuguesas em colecções particulares: séc. XV- Séc. XX. Porto: Livraria Civilização Editora, 1998.

SOUSA, Gonçalo de Vasconcelos e – Pratas em colecções do Douro. Porto: Bienal da Prata de Lamego; Lello Editores, 2001.

SOUSA, Gonçalo de Vasconcelos e – Manuel Alcino & Filhos: Tradição e Modernidade na Ourivesaria Portuguesa. Porto: Manuel Alcino & Filhos, 2001.

SOUSA, Gonçalo de Vasconcelos e – A ourivesaria da prata em Portugal e os mestres portuenses: História e Sociabilidade: 1750-1810. Porto: Ed. do Autor, 2004.

SOUSA, Gonçalo de Vasconcelos e – Artes da mesa em Portugal: do século XVIII ao século XXI. 2.ª ed. Porto: Livraria Civilização Editora, 2005.

SOUSA, Gonçalo de Vasconcelos e – Os bichos de Luiz Ferreira: No centenário do seu nascimento (1909-2009). Porto: Luiz Ferreira & Filhos, 2009.

SOUSA, Gonçalo de Vasconcelos e – Arte e devoção: a ourivesaria nas colecções da Santa Casa da Misericórdia do Porto. Porto: Santa Casa da Misericórdia do Porto, 2013.

SOUSA, Gonçalo de Vasconcelos e, coord. – A luz que mais brilha: custódias de prata da cidade do Porto. Porto: SCMP, 2019.

 

* Prof. Catedrático da Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa

 

6, 8, 13, 15, 21 de julho de 2020.

18h30 às 19h30

Preço: 50,00€

Membros PIN: 45,00€

Inscrições: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

__

O sítio da PIN teve o apoio


 Fundação Calouste Gulbenkian Nacional apoio